quarta-feira, 29 de julho de 2009

Gay Statement T. Shirts



E para que não fiquem com a ideia que só o Marc Jacobs estampa em T. Shirts que os direitos das pessoas LGBT é uma questão de Direitos Humanos, a também muito americana American Aparrel lançou umas T. Shirts cheias de sentido de humor, aquando da Propopsition 8.







A American Aparrel, que é mais barata que por exemplo a Zara e ronda os preços da Bershka sendo infinitamente mais interessante, infelizmente não tem loja em Portugal, mas tem vendas on-line para toda a UE, sem preços de alfândega, porque para além de ter lojas na Europa, Milão por exemplo, a plataforma de distribuição é Europeia.

Para além das T. Shirts atrás referidas, o segredo mais bem guardado de todos os fashion victims, são as fantásticas fabulásticas e verdadeiros objectos de culto, das Short Sleeve Deep V-Neck. Andava há anos a prometer a mim mesmo que jamais o revelaria, mas pronto, hoje estou bonzinho.



Para os design adict que gostam de oscilar entre o vintage e o modernismo, e que ainda acreditam que existem uma coisa chamada pós modernismo, há ainda as Helvetica Alphabet T-Shir, com todas as letras do alfabeto disponíveis.



Ah, e claro não esquecer as peúgas brancas turcas, acessório essencial a qualquer fashion victim que se preze e que já fiz menção especial aqui.

Fotos via American Aparrel

2 comentários:

Introspective disse...

Vc viu que a American Apparel teve uma loja apedrejada por causa dessas camisetas pró-gay?

Sobre os DJs da The Week que vão tocar no Souvenir, sou suspeito para falar: como eles tocam todo sábado aqui em São Paulo, a gente acaba cansando deles. E você sabe: a cena gay brasileira segue as tendências norte-americanas, então aqui somos obrigados a ouvir tribal o tempo todo (não o tribal com electrohouse que a Matinée faz, mas o tribal-divas-Miami mesmo).

Dos dois DJs, o João Neto é o que mais me agrada, pq ele ousa sair um pouco desses clichês gays, tenta colocar um pouco mais de house no set, tenta ser um pouco mais europeu. O Pacheco é um negro lindíssimo, fofo, tem um abraço delicioso, já bebeu muito na fonte da iberican house no passado, mas a atual fase musical dele não me agrada muito.

Em todo caso, como ambos sabem que estarão tocando para um público europeu, menos bitolado em tribal do que os narrow-minded brasileiros, acho que eles se sentirão mais à vontade para tocar coisas que a direção da The Week julgaria impopulares para o clube. A conferir.

(Mas eu, que gosto mais de house progressivo, ainda prefiro o Enrico Arghentini... risos)

Boa jogação!

Pedro Costa disse...

esse teu segredo da aparrel foi o meu amor a primeira vista na 1ª loja deles onde entrei numa fantástica noite em que me perdi em devaneios nocturnos numa city americana... um must!!!!